O Hospital de Campanha Estadual é o objeto de estudo de diversas pesquisas desenvolvidas pelo Projeto de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação.

Pesquisas científicas na área farmacêutica estão sendo realizadas no Hospital de Campanha Estadual (HCE) pela equipe de farmácia em conjunto com um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Piauí (UFPI), lideradas pelo professor Lívio César, com a colaboração da professora Graça Medeiros. O Estudo faz parte do Projeto de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PDI) da UFPI no HCE.

O Hospital de Campanha Estadual, gerido através de um convênio assinado entre a UFPI, Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (SESAPI) e Fundação Cultural e de Fomento à Pesquisa, Ensino, Extensão e Inovação (FADEX), se diferencia dos demais hospitais de campanha por ser um polo de pesquisas científicas, através desse Projeto de PDI, coordenado pelo pesquisador Joel Rodrigues (UFPI).

“Estamos perante uma doença completamente nova, nos encontramos em um estado de pandemia e têm que ser encontrados tratamentos/manejos para combater a COVID-19. Temos o cenário do hospital de campanha que, em termos de logística de farmácia hospitalar e dos tratamentos para essa doença, é uma novidade. Os resultados das pesquisas científicas vão permitir gerar conhecimento para ser compartilhado em nível mundial. Toda evolução histórica do combate à pandemia, incluindo as questões das possíveis interações medicamentosas no protocolo clínico aplicado no hospital de campanha para o combate a Covid-19, serão seguramente relevantes para a comunidade científica e para a sociedade como um todo”, disse Prof. Joel Rodrigues.

Segundo o professor Lívio César, o estudo envolve áreas de suma importância para o melhor conhecimento da doença/terapêutica e ressalta a importância do HCE no combate a pandemia. Dentre as diversas pesquisas está o próprio “hospital de campanha em sua evolução histórica e o papel no combate a pandemia da Covid-19”, cujo objetivo é relatar por meio de pesquisa e estudos detalhados, a importância dos hospitais de campanha no combate à pandemia. Um outro estudo realizado traz para discussão as “possíveis interações medicamentosas em um protocolo clínico do Hospital de Campanha Estadual para SARS-CoV-2”.

“Não há comprovação clínica de eficácia dos medicamentos para o tratamento desta nova doença, todavia os medicamentos já são utilizados há mais de 20 anos na clínica médica e seu uso vê-se justificado pela falta de alternativas sabidamente eficazes ou fundamentado na melhor terapia disponível no momento. Este estudo tem por objetivo elucidar as possíveis interações medicamentosas, efeitos colaterais e eventos adversos dos medicamentos utilizados no protocolo do Hospital de Campanha Estadual, discutindo sobre suas implicações no âmbito do SARS-CoV-2”, explicou a Profa. Graça Medeiros.

No HCE também está sendo desenvolvida a “Análise das interações medicamento-alimento em protocolo clínico para Covid-19 no hospital de campanha”, já que, segundo o professor Lívio César, podem ocorrer possíveis interações entre os medicamentos e os alimentos/nutrientes das dietas de pacientes do hospital. “Espera-se com esse trabalho potencializar a recuperação dos pacientes, evitando reações farmacocinéticas que diminuam a ação farmacológica dos medicamentos utilizados no protocolo de tratamento da Covid-19”, disse o professor Lívio César.

Além disso, a professora Graça Medeiros cita o “estudo farmacoeconômico comparativo entre protocolos clínicos Covid-19 adotados por hospitais de campanha no Brasil”, que levanta protocolos clínicos de hospitais de campanha brasileiros e faz a comparação farmacoeconômica cruzando com o percentual de altas, tempo de permanência de internação e possíveis óbitos. Dessa forma é possível identificar dificuldades, as intervenções com melhor terapia disponível e custo, além de subsidiar a manutenção ininterrupta de uma cadeia logística de estoques.